Mark'ando o mundo

Sunday, November 12, 2006

O jogo do pau

Crescer na aldeia traz vantagens que os putos da cidade não têm. Tipo respirar ar mais puro, ou acordar com o som dos passarinhos, ou jogar ao pau com os amigos.

Pois é.. hoje vou tentar ensinar toda a gente as regras básicas deste jogo.

1º- Não vamos jogar ao pau sem um pau… por isso há que arranjar um pau. Mas não pode ser um pau qualquer. Para sem um bom pau tem de ter algumas características muito especiais. Tem de ser leve como um palito e duro como uma viga de aço. Depois tem de ter a parte de cima larga, tipo um remo e a parte de baixo bicuda, para perfurar até a mais dura pedra. Este seria o pau perfeito.. se bem k a maior parte das vezes era mesmo um pau de vassoura velho afiado na ponta contra uma pedra.
2º- O terreno de jogo também tem de ter algumas características muito especiais. Tem de ser amplo, e muito importante, de terra.
3º- A lata. A lata não devia ser lata, devia ser bola. Mas como quando se jogava com uma bola tipo de ténis ela durava praí 10 minutos até desaparecer num qualquer arbusto, convencionou-se usar antes uma lata, de preferência daquelas de compal, já sem o papel.

REGRAS:

Ora bem, aqui não há equipas, é cada 1 por si. No início toda a gente se espalha aleatoriamente pelo campo, não muito longe uns dos outros e faz no chão à sua volta uma roda que passarei a chamar loca. A partir daí a loca é a sua vida, há que guarda-la com unhas e dentes. Depois, também aleatoriamente escolhe-se alguém para ficar com a lata no início. Normalmente é o puto que ninguém gosta.

Passando à acção, o puto da lata escolhe outro puto qualquer para lhe atirar a lata. Um põe-se em posição de arremesso e o outro em posição de acertar na lata com o pau. Há uma troca de olhares. Lançamento!! .. agora se o puto batedor achar que tem hipótese de acertar na lata tenta acertar-lhe e 2 coisas podem acontecer. Se não acertar na lata fica com ela, por isso o puto lançador não pode atirar com força demais para fazer com que o batedor acredite que pode acertar na lata, mas ao mesmo tempo tem de lhe aplicar um efeito qualquer para fazer com que ele não lhe acerte. É uma arte. Se o puto batedor nem tentar o swing nada acontece. A lata volta ao lançador e tudo recomeça. Atente-se que ficar com a lata é MAU! Até aqui isto até é parecido com basebol.

E se acertar na lata?.. ora aí vem a parte fixe. O puto que atirou a lata tem de ir a correr apanha-la. Enquanto isto acontece, os outros membros do jogo podem fazer 2 coisas. Ou, apenas com o pau, tentam afastar ainda mais a lata do lançador que a persegue, ou correm para a loca do lançador e com a parte bicuda do pau escavam um buraco. Quando o lançador apanha a lata (com as mãos) tem de tentar atirara-la e acertar numa qualquer loca desprotegida. Por desprotegida entenda-se que não está lá o dono da loca, que foi afastar a lata ou escavar. Quando digo estar lá, quero dizer estar a agarrar no seu pau, com uma das pontas a tocar dentro da loca. Assim ela é invulnerável. Deste modo, quem sai da loca para ir escavar tem de estar sempre atento ao lançador para voltar à sua loca a tempo de a proteger.

É bastante óbvio que se o lançador atirar a lata e esta tocar dentro de uma loca desprotegida, o dono dessa loca fica com a lata. O que pode acontecer também é, o lançador ao tentar acertar numa loca desprotegida, pode falhar e assim, outro membro qualquer pode, sempre só com o pau, afastar de novo a lata (mais ao estilo golfe agora) e tudo recomeça. O jogo nunca pára, é sempre contínuo excepto quando o lançador acerta com a lata numa loca desprotegida. Aí, pára tudo, toda a gente regressa às suas locas e então recomeça.

Convém só acrescentar que, o lançador só pode lançar da sua loca e ao lançar a lata pode acertar logo na loca do puto batedor se este estiver distraio e não puser uma ponta do pau na loca para a proteger rapidamente (visto que está na posição de swing tipo basebol). Também é importante saber que se o lançador estiver a proteger a loca (ponta do pau a tocar nela) ninguém lá pode escavar e que se o lançador escolhe o puto 1 para lhe lançar a lata e ele lhe acerta, da próxima vez terá de ser para outro puto qualquer, ou seja, para variar o batedor.

Para concluir, quando a lata couber completamente dentro do buraco, ou seja, não sair nenhuma extremidade para fora do buraco, esse jogador é eliminado. O processo de medição do buraco é feito com a própria lata e também é complexo, mas só na prática é que conseguiria demonstra-lo.

E pronto.. horas de diversão.
Dúvidas ponham nos comments.

5 Comments:

  • Por acaso não conhecia o jogo, mas vê-se logo que eram outros tempos. Agora a canalhinha dedica-se a passar os dias em frente à tv a jogar playstation. Acho que da forma que se brincava antigamente se aprendia muito mais e se construiam amizades de uma forma muito mais natural. Mas tu nunca andaste a jogar ao "mata" com fisgas no meio do monte pois não? Um dia destes eu ensino-te como é :)

    By Blogger Aitarak, at 2:35 PM  

  • Por acaso, esse jogo é-me muito familiar... Se calhar tb sou desse tempo lol
    bjinhos

    By Anonymous kobs, at 9:30 PM  

  • By Anonymous Anonymous, at 5:51 AM  

  • Erm... eu propunha um jogo deveras castiço que dá pelo nome do Jogo da Cimpor. As regras são extremamente simples:

    1. Deslocar os intervenientes até à borda de uma linha de água

    2. Um saco de cimento CIMPOR, água e uma colher de trolha, vá lá

    3. Sortear um jogador ao acaso (eu gosto de usar o método do Macaquinho chinês)

    4. O perdedor é presenteado com umas belas botas feitas em cimento e lançado na água com comentários jocosos por parte dos restantes interveninetes

    By Blogger Tiago, at 1:48 PM  

  • hahahahaha
    era pra rir kkkk ou pra chorar :'(
    hein ?

    By Anonymous Anonymous, at 9:10 PM  

Post a Comment

<< Home